Instrumentos estranhos que quase ninguém conhece

Um theremin: instrumento que costumava ser desconhecido do grande público até que o personagem Sheldon, da série The Big Bang Theory, aparece com um exemplar em um dos episódios

Tente lembrar rapidamente de todos (ou quase todos) os instrumentos musicais que você conhece. Certamente coisas como violão, guitarra, baixo, bateria, piano, flauta e afins passaram pela memória. Mas aposto uns dinheiros do Banco Imobiliário que você não pensou em instrumentos como a marimba, o santur ou o “tambor de aço”. Na verdade, o propósito deste post é justamente tentar mostrar alguns instrumentos que provavelmente você desconhece.

Importante: na lista abaixo, procurei tratar sobre instrumentos de cunho cultural, excluindo aqueles instrumentos que foram construídos de forma única por algum maluco/visionário, como a Harpa Laser, o Sharpsichord e a Singing Ring Tree (estes eu abordarei em outro post, futuramente).

 


 

Hurdy Gurdy (Viela de Roda)

O Hurdy Gurdy foi a grande inspiração para que eu escrevesse este post. Mostrei o vídeo a seguir para a minha namorada e ela ficou simplesmente encantada com este instrumento e o fato de nunca ter ouvido falar dele:

De acordo com a gloriosa Wikipedia, a viela de roda é um cordofone, ou “instrumento de corda friccionada”. O corpo do instrumento parece um violino, mas a presença de botões, como em um acordeon, e uma manivela, que de fato “toca” as cordas, faz com que o design do instrumento seja no mínimo estranho à primeira vista.

Certamente a viela de roda não é algo que vemos diariamente. No vídeo a seguir, a musicista Caroline Phillips conta um pouco sobre o funcionamento e a origem do instrumento:

 

Nyckelharpa

A Nyckelharpa é um instrumento tradicional da Suécia e, assim como o hurdy gurdy, também é um cordofone. Normalmente possui 16 cordas, 37 teclas e é considerado um dos instrumentos mais antigos do mundo, tendo registros de sua utilização datando de meados do século XIV. Graças a músicos como August Bohlin, Eric Sahlström e outros entusiastas europeus, a nyckelharpa teve uma grande difusão pelo continente nos anos 80 e 90.

https://www.youtube.com/embed/7sfBcWvVUbs

 

Didgeridoo

O Didjeridu (ou didgeridoo) é um instrumento de sopro dos aborígenes australianos (sim, aqueles do bumerangue). É um instrumento muito antigo, com alguns estudos arqueológicos baseados em pinturas rupestres, na região de Kakadu, sugerindo que o povo aborígene já utilizava o didjeridu há cerca de 1500 anos.

Por ser um instrumento do tipo aerofone, onde o som é proveniente da vibração dos lábios e de outros sons produzidos pelo instrumentista, existem vários tipos diferentes de sons que se pode tirar no didjeridu. Os principais tipos de som são: Drone, Toot (ou Trumpet), Ressonância, Vocalização e Harmônicos.

 

Steel Pan (Tambor de Aço)

Se você já ouviu as músicas do filme A Pequena Sereia, você provavelmente já conhece o som do Tambor de Aço. Este instrumento é originário de Trinidad e Tobago e é muito utilizado na música caribenha em geral. Existem, na verdade, 10 variações de tambores de aço, com afinações e timbres diferentes, o que confere a estes instrumentos sons realmente peculiares e exóticos.

Ah, os tambores de aço são os únicos instrumentos conhecidos atualmente que são criados para serem tocados no “ciclo das quintas” de Pitágoras. Como este é um papo mais técnico, sugiro aos interessados ouvirem o podcast Dragões de Garagem sobre Matemática e Música, o qual eu (Gustavo) participei. Lá tentamos explicar o funcionamento do ciclo das quintas e o que isso significa, musicalmente falando.

 

 

Hardingfele

O Hardanger Fiddle (ou Hardingfele, no idioma nativo) é um instrumento típico norueguês que muito se assemelha ao violino moderno, sendo que a grande diferença entre estes é que no violino só há quatro cordas e no Hardanger Fiddle pode-se ter oito ou nove cordas, além do fato que a madeira do corpo do violino é mais grossa. O Hardanger Fiddle é usualmente afinado em B bemol, mas já foram encontradas mais de 20 afinações diferentes pelos historiadores noruegueses, o que faz com que o instrumento seja muito versátil. Existe ainda uma afinação específica, chamada “troll tuning”, que é utilizada para tocar os fanitullen, sons considerados demoníacos pela cultura antiga local.

https://www.youtube.com/embed/GrCr0yVuNsc

 

Crwth (Rota)

O Crwth (ou Rota, como chamaremos daqui para frente pois o nome original é impronunciável) é outro cordofone, desta vez de origem galesa. O nome crwth é também de origem galesa, derivada de uma outra palavra pré-celta (krotto), que significa “objeto redondo”, que se refere normalmente a um inchaço ou protuberância. Assim como o violino e a viola, a rota também é tocada pela fricção de um arco em suas cordas.

 

Cimbalom (Címbalo Húngaro)

O Cimbalom, ou címbalo húngaro, é um instrumento também um cordofone, mas do tipo percussivo. Ao invés de um arco de madeira, por exemplo, ser friccionado contra as cordas de metal que são presas no corpo trapezoidal do instrumento, utiliza-se duas baquetas para tal, como num xilofone. Este instrumento é muito comum na região da antiga Áustria-Hungria e na Grécia.
Os címbalos são divididos em algumas categorias, como dulcimers, címbalos de concerto e címbalos experimentais.
Assim como o Hardanger Fiddle, o Címbalo Húngaro está inserido na cultura pop atualmente através de algumas trilhas sonoras de filmes, como O Senhor dos Aneis, Indiana Jones e O Curioso Caso de Benjamin Button.

https://www.youtube.com/embed/0mR0_nFTato

 

Serpent (Serpentão)

O Serpentão (sim, esse é o nome em português) é um instrumento de sopro de registro grave, um ancestral da tuba. Apesar de ser feito na forma de um grande tubo de madeira revestido de couro em forma de serpente (daí o nome), é classificado junto dos metais, sendo colocado ao lado de trompetes e trombones.
O instrumento foi criado na França no fim do século XVI com o intuito de fortalecer o som dos cânticos religiosos dos padres e sacerdotes. Existem basicamente duas variantes do serpentão: uma onde o tubo apresenta uma “curtatura duplo S”, mais comum, e uma onde o tubo é praticamente reto, à exceção de uma curvatura similar ao fagote. O compositor Bernard Herrmann utilizou um serpentão na tilha do filme VIagem ao Centro da Terra, em 1959.

 

 

Gaida

A Gaida é um instrumento de sopro bem parecido com uma gaita de fole, mas com apenas um tubo de ressonância. É nativo da região dos Bálcãs e do Sudeste europeu, como Grécia, Macedônia, Bulgária, Albânia, Croácia e Sérvia. É composta pelo fole (feita usualmente de couro de bode ou cabra), um bocal, um ronco (onde existem as aberturas para colocar os dedos e fazer as notas) e um tudo de ressonância.

O nome “gaida” originou posteriormente o nome “gaita”, segundo algumas fontes Wikipédicas.

 

Igil

O Igil é um tipo de violino de duas cordas tradicional da República de Tuva (território ao sul da Rússia), muito parecido com o Morin Khuur, comum na Mongólia . Este instrumento normalmente apresenta uma cabeça de cavalo feita de madeira na ponta, onde se prendem as cordas. Ele é segurado quase que inteiramente na vertical, com a caixa acústica apoiada no colo do instrumentista.


 

Santur

O Santur é uma versão iraniana do Címbalo Húngaro, praticamente. O nome “santur” significa “100 cordas” e existem várias derivações deste instrumento, como o santoor na Índia, o santouri na Grécia e o yangqin na China.

 

Mbira

O Mbira é um instrumento típico da África (mais comumente encontrado no Congo e no Zimbábue) e consiste basicamente de uma tábua de madeira com placas de metal que são tocadas com os polegares, sendo classificado como um instrumento idiofônico e também como um instrumento lamelofônico. Alguns instrumentos similares ao mbira são: likembe, marimba, kalimba, zanzu, ubo, sanza, entre outros. Sua invenção data de mais de três mil anos, segundo alguns historiadores africanos.

 

Saung

O Saung (ou Harpa Birmanesa/Harpa de Myanmar) é uma harpa curvada tradicional na região da Birmânia. Ela é considerada uma “harpa horizontal”, já que o corpo onde o som ressoa é mais horizontal do que o das harpas ocidentais que estamos acostumados. As dimensões usuais do Saung são 80 centímetros de altura x 16 centímetros de largura x 16 centímetros de profundidade.

Em 1956, o japonês Kon Ichikawa dirigiu o filme The Burmese Harp (A Harpa Birmanesa), que foi indicado ao Oscar.

 


 

E aí, você acha que faltou algum instrumento? Você conhece algum instrumento que poderia estar nessa lista? Então comenta aí!

  • gustavozelele

    VERDADE

  • o som Crwth (Rota) me remeteu à trilha de The Witcher 3